Rock ‘n’ Roll

Há muito tempo atrás, na velha Bahia
Eu imitava Little Richard e me contorcia
As pessoas se afastavam pensando
Que eu tava tendo um ataque de
Epilepsia (de epilepsia)

No teatro Vila Velha,
Velho conceito de moral
Bosta Nova pra universitário,
Gente fina, intelectual
Oxalá, oxum dendê oxossi de não sei
o quê. (de não sei o quê)

Oh, rock’n’roll, yeah, yeah, yeah,
That’s rock’n’roll

A carruagem foi andando e uma década depois
Nego dizia que indecência era o mesmo
Feijão com arroz
Eu não podia aparecer na televisão
Pois minha banda era nome de
Palavrão (nome de palavrão)

E lá dentro do camarim no maior abafamento
A mulherada se chegando
Altos pratos pratos suculentos
E do meu lado um hippie punk
Me chamando de traidor do movimento
(vê se eu aguento)
(Traidor do movimento)

Oh, rock’n’roll, yeah, yeah, yeah,
that’s rock’n’roll

Alguns dizem que ele é chato
Outros dizem que é banal
Já o colocam em propaganda
Fundo de comercial
Mas o bicho ainda entorta minha
Coluna cervical (coluna cervical)

Já dizia o eclesiastes
Há dois mil atrás
Debaixo do sol não há nada novo
Não seja bobo meu rapaz
Mas nunca vi Beethoven fazer
Aquilo que Chuck Berry faz
(Chuck Berry faz)

Roll olver Beethoven, roll over Beethoven,
Roll over Beethoven,
Tell Tchaikovsky the news

E pra terminar com esse papo
Eu só queria dizer
Que não importa o sotaque
e sim o jeito de fazer
Pois há muito percebi que
Genival Lacerda tem a ver
com Elvis e com Jerry Lee (Elvis e Jerry Lee)

Por aí os sinos dobram,
Isso não é tão ruim
Pois se são sinos da morte
Ainda não bateram para mim
E até chegar a minha hora
Eu vou com ele até o fim
(com ele até o fim)

Oh, Rock’n’roll, yeah, yeah, yeah…

Composição: Raul Seixas e Marcelo Nova

Você Ainda Pode Sonhar

Pense num dia com gosto de infância
Sem muita importância procure lembrar
Você por certo vai sentir saudades
Fechando os olhos verá
Doces meninas dançando ao luar
Outras canções de amor
Mil violinos e um cheiro de flores no ar

Você ainda pode sonhar
Você ainda pode sonhar
Você ainda pode sonhar

Feche seus olhos bem profundamente
Não queira acordar procure dormir
Faça uma força você não está velho demais
Prá voltar e sorrir
Passe voando por cima do mar
Para a ilha rever
Vá saltitando sorrindo a todos que vê

Você ainda pode sonhar
Você ainda pode sonhar
Você ainda pode sonhar

Composição: John Lennon / Raulzito e Os Panteras

Fazendo o Que o Diabo Gosta

Casamos num motel
Bem longe do altar
Lua de mercúrio, fogo e mel
Não fui o seu primeiro
Você já tinha estrada
Dois filhos, um travesseiro e a empregada
Um anjo embriagado num disco voador
Jurou que o nosso amor era pecado
Mas a história mostra
Que a gente agrada a deus
Fazendo o que o diabo gosta
Casamos por tesão, tesão, tesão, tesão
Bateu o terror não tem mais solução
Te entrego os meus medos, meus erros, meus segredos,
Divido minhas guimbas com você
Um anjo embriagado num disco voador
Jurou que o nosso amor era pecado
Mas a história mostra
Que a gente agrada a deus
Fazendo o que o diabo gosta
Quebramos nossas caras
Pra se lamber depois
Amor é ódio, é o certo pra nós dois
Casamos num motel
Bem longe do altar
Lua de mercúrio, fogo e mel
Fogo e mel

Composição: Raul Seixas e Lenna Coutinho

A Pedra do Gênesis

No fundo do oceano existe um baú que guarda o segredo almejado desde a aurora dos tempos por gênios, sábios, alquimistas e conquistadores. Eu conheci esse baú num estranho ritual revelado a poucos. Hoje eu posso enfim revelar que essa busca de séculos foi em vão.

A Pedra do Gênesis, a Pedra do Gênesis
Está bem aqui e agora, a Pedra do Gênesis
Você pode tocar

É a escada do seu velho sonho
Que vai dar sempre onde começou
É a chave do maior poder
Que não vale um chiclete
Que alguém mascou, mascou

A Pedra do Gênesis, a Pedra do Gênesis
Está bem aqui e agora, a Pedra do Gênesis
Você pode tocar

É a Pedra de cada dia
Que está no chão de qualquer lugar
Aonde o mendigo pisa
E o santo cospe, quando passa, nessa pedra

A Pedra do Gênesis, a Pedra do Gênesis
Está bem aqui e agora, a Pedra do Gênesis
Você pode tocar

É Deus traçando linhas tortas
É mais um que nasce e começa a morrer
Jogando jogo da velha, o jogo da guerra
Sem poder vencer, sem vencer

A Pedra do Gênesis, a Pedra do Gênesis
Está bem aqui e agora, a Pedra do Gênesis
Você pode tocar, a Pedra do Gênesis

Composição: Raul Seixas

A Lei

Todo homem tem direito
de pensar o que quiser
Todo homem tem direito
de amar a quem quiser
Todo homem tem direito
de viver como quiser
Todo homem tem direito
de morrer quando quiser

Direito de viver
viajar sem passaporte
Direito de pensar
de dizer e de escrever
Direito de viver pela sua própria lei
Direito de pensar de dizer e de escrever
Direito de amar,
Como e com quem ele quiser

A lei do forte
Essa é a nossa lei e a alegria do mundo
Faz o que tu queres ah de ser tudo da lei
Fazes isso e nenhum outro dirá não
Pois não existe Deus se nao o homem
Todo o homem tem o direito de viver a não ser pela sua própria lei
Da maneira que ele quer viver
De trabalhar como quiser e quando quiser
De brincar como quiser
Todo homem tem direito de descansar como quiser
De morrer como quiser
O homem tem direito de amar como ele quiser
De beber o que ele quiser
De viver aonde quiser
De mover-se pela face do planeta livremente sem passaportes
Porque o planeta é dele, o planeta é nosso.
O homem tem direito de pensar o que ele quiser, de escrever o que ele quiser.
De desenhar, de pintar, de cantar, de compor o que ele quiser
Todo homem tem o direito de vestir-se da maneira que ele quiser
O homem tem o direito de amar como ele quiser, tomai vossa sede de amor, como quiseres e com quem quiseres
Há de ser tudo da lei
E o homem tem direito de matar todos aqueles que contrariarem a esses direitos
O amor é a lei, mas amor sob vontade
Os escravos servirão
Viva a sociedade alternativa
Viva Viva

Direito de viver, viajar sem passaporte
Direito de pensar de dizer e de escrever
Direito de viver pela sua própria lei
Direito de pensar de dizer e de escrever
Direito de amar, como e com quem ele quiser

Todo homem tem direito
de pensar o que quiser
Todo homem tem direito
de amar a quem quiser
Todo homem tem direito
de viver como quiser
Todo homem tem direito
de morrer quando quiser

Composição: Raul Seixas

Não Quero Mais Andar Na Contra-mão

(Qucul! Qucul!)
Hoje uma amiga
Da Colômbia voltou
Riu de mim porque
Eu não “intindi”
Do que ela sacou
Aquele fumo rolou
Dizendo que tão bom
Eu nunca vi…

Eu disse:
Não! Não! Não! Não!
Eu já parei de fumar
Cansei de acordar pelo chão
Muito obrigado!
Eu já estou calejado
Não quero mais andar na contra-mão…

Da Bolívia
Uma outra amiga chegou
Riu de mim porque
Eu não “intindi”
Quis me empurrar
Um saco daquele pó
Dizendo que tão puro
Eu nunca vi…

Eu disse:
Não! Não! Não! Não!
Eu já parei de “hunfz”
Cansei de acordar pelo chão
Muito obrigado!
Eu já estou calejado
Não quero mais andar na contra-mão…

Titia que morava
Na Argentina voltou
Riu de mim porque
Eu não “intindi”
Me trouxe uma caixa
De perfume hehei
Daquele que não tem
Mais por aqui…

Eu disse:
Não! Não! Não! Não!
Não brinco mais carnaval
Cansei de desmaiar no salão
Muito obrigado!
Eu já andei perfumado
Não quero mais andar na contra-mão…(2x)

Composição: David P. Jackson / Hoyt Axton / Raul Seixas